O Sal da Língua

Sons organizados de forma a exprimirem uma grande variedade de emoções.

Adam Green, Sixes and Sevens

green.jpg

Adam Green é mais um cantautor norte-americano que começa a afirmar-se na cena musical alternativa internacional. Desde o início da carreira que Green se tem dedicado a não seguir as convenções estabelecidas da folk e do rock do século passado, criando uma fórmula musical bastante apelativa que joga com essas convenções através subversão da própria estrutura da canção e das referências consideradas intocáveis até pela música moderna. Ou ouvir este Sixes and Sevens tem-se a sensação de que já se ouviu isto em qualquer lado, mas tocado de forma diferente e mais “normal”. É bem provável que tal seja verdade, mas Adam Green constrói um disco muito bem elaborado e sequenciado que, no final, soa a original e dá vontade de repetir a dose com bastante frequência, no meio de tantos bons riffs e de letras recheadas de bom humor e sempre bem enquadradas. Green demonstra um bom conhecimento da história da música pop, folk e rock do país natal e elabora um belo compêndio através de pedaços e excertos dessa mesma história, dispostos com originalidade e que mantêm o interesse do início ao fim. O potencial de vício é grande.

Nota de Sal: 8.5/10
Referências: Bright Eyes, Patrick Wolf

Advertisements

No comments yet»

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: