O Sal da Língua

Sons organizados de forma a exprimirem uma grande variedade de emoções.

Archive for Beirut

Take 16

On The Death Of The Waters: Shearwater
You / aurora / you / seaside: Get Well Soon
Hero Anthem: The Lionheart Brothers
Mi Viejo: Ratatat
People Magazine front cover: Get Well Soon
From: Dr. Dog
Hurricane Jane: Black Kids
Into the Galaxy: Midnight Juggernauts
50 Souls and A Discobowl: The Lionheart Brothers
White Winter Hymnal: Fleet Foxes
Hippy’s Son: Dirty Pretty Things
Napoleon on the Bellerophon: Beirut
Minas de Cobre (for better metal): Calexico
Not Nineteen Forever (Acoustic): The Courteeners

Advertisements

Estado d’Alma #26

Le Moribond, Beirut (Jacques Brel cover)

Volta ao mundo num só post

 

tom.jpg

Tomahawk, Anonymous (2007)

Mike Patton já nos habituou a esperar sempre algo de diferente. Para o bem e para o mal. O homem que abandonou a ribalta e os concertos de estádio com os Faith No More para se dedicar aos devaneios musicais mais variados, apresenta agora o novo Álbum dos Tomahawk. E desta vez, que agradável surpresa. Patton aproveita uma porção da herança musical dos índios da América do Norte e recria danças da chuva, da paz e de guerra. A ouvir, nem que seja uma só vez. De preferência, e se possível, bem alto. Chega a ser monumental.

 

0001_sml.jpg

My Little Airport, Zoo Is Sad, People Are Cruel (2007)

E eis que há vida a Oriente para além dos Pizzicato Five e de Ryuichi Sakamoto. Os My Little Airport são de Hong Kong e devem ter passado a adolescência a ouvir B&S. Excelentes canções pop, com influência anglo-saxónica, mas com o essencial toque de originalidade oriental. Muito interessantes e possivelmente viciantes. E sim, cantam em japonês.

 

beirut.jpg

Beirut, The Flying Club Cup (2007)

Zach Condon e os Beirut estão de volta. Os sons folk dos balcãs, com influência country e rock também. Ninguém faz o que Zach Condon tem feito. Num altura em que se fala tanto de reinvenções/recriações/imitações é refrescante ouvir algo como os Beirut.

nunoromano