O Sal da Língua

Sons organizados de forma a exprimirem uma grande variedade de emoções.

Archive for Silver Jews

Take 13

(Intro) Twentieth Century Fox Fanfare: Ellen Page
01 You Can Have It All: Yo La Tengo
02 Ring Them Bells: Sufjan Stevens
03 The Greatest: Cat Power
04 Eternal Woman: dEUS
05 Plus Ones: Okkervil River
06 No One’s Gonna Love You: Band of Horses
07 Wolves: The Accidental
08 This is the dream of Win and Regine: Final Fantasy
09 Crown of Love (live): Arcade Fire
10 My Pillow Is The Threshold: Silver Jews
11 To America: Joan as Policewoman (feat. Rufus Wainwright)
12 See Emily Play: Martha Wainwright
13 Wouldn’t It Be Nice: The Beach Boys
14 London Bridges: This is Ivy League
15 Shiller: Ratatat

Take 9, Nesting

01 Holler, Wild Rose!: Holler, Wild Rose!
02 Strange Victory, Strange Defeat: Silver Jews
03 Headshock: Tapes ‘n Tapes
04 Undone: Devotchka
05 Witches & Lightning: Hands on Heads
06 Kriss Kross: Guillemots
07 Jump In (For Gilkey Elementary School): High Places
08 Who’s Got The Crack: The Moldy Peaches
09 Killing Time: Vincent Vincent And The Villains
10 Hands Up (The Race): Susu
11 Veiled in Grey: The Mystery Jets
12 Split it Out: IAMX
13 Minimal Sounds: Rita Redshoes

Silver Jews, Lookout Mountain, Lookout Sea

silver.jpg

Conheci os Silver Jews na mesma (gloriosa) fase em que fui apresentado a bandas como Okkervil River, The National e My Morning Jacket. Colocando de lado os The National, que começam a atingir a fase de saturação que acompanha sempre a fama descompensada, estas bandas conquistaram-me pela aparência adulta e nightclublin’ que ostentavam em cada canção. Como se cada tema resultasse de uma experiência de vida dolorosa, episódios doces ou amargos que conheciam a luz do dia tocadas só daquela forma. Os Silver Jews distinguiam-se (naquela altura com Tanglewood Numbers) por uma voz que conseguia ser tanto Cash como Reed, conforme a disposição do tema. David Berman, o vocalista, tem obra poética publicada, o que justifica muitas das letras bem à frente da banalidade reinante. É pena que os riscos que se correm actualmente com a música não sejam acompanhados por maior ousadia na escrita. Lookout Mountain, Lookout Sea é a obra maior dos Jews, um conjunto de temas difícil de descrever. É verdade que se trata do típico indie rock, mas há ali qualquer coisa de intemporal que me faz acreditar que este é um disco para muitos anos. Um tremendo respeito pelas fontes de inspiração na forma de disco.

Nota de Sal: 9/10
Referências: Tindersticks, The National