O Sal da Língua

Sons organizados de forma a exprimirem uma grande variedade de emoções.

Archive for The Magnetic Fields

Take 4

I’m Rollin’ – Solal ft. The Nashville Bluegrass Band
The Grand Duchess of San Francisco – American Music Club
The Flicker of a Little Girl – Tindersticks
Cracking Up – The Jesus and Mary Chain
The Nun’s Litany – The Magnetic Fields
Doves Circled the Sky – Bodies of Water
Cold Shoulder – Adele
Oh My God – Mark Ronson ft. Lily Allen
When a Pretty Face – Adam Green
Gilt Complex – Sons and Daughters
Weekend Without Makeup – The Long Blondes
All My Friends – Franz Ferdinand
Words You Used to Say (Sand Pebbles Remix) – Dean & Britta
Enchanted – Patrick Wolf
Soul Singer in a Session Band – Bright Eyes

Advertisements

Psychocandy/Distortion

psycho.jpg dist.jpg

Numa entrevista recente para a The Word, Stephin Merritt defende que Psychocandy dos The Jesus and Mary Chain foi o último grande disco da história do rock. Neste registo de 1985 os Mary Chain conceberam o primeiro LP gravado integralmente com a utilização de feedback. Foi sensação na altura e deram origem à última grande inovação de estúdio. O feedback e a distorção foram daí em diante utilizados em maior e menor escala, por vezes levados até ao limite. No mês passado, os Magnetic Fields editaram Distortion, disco completamente gravado com feedback, à excepção das pistas de voz e bateria. Não será propriamente uma homenagem a Psychocandy, pretende antes seguir literalmente as pisadas técnicas da última grande revolução rock. Escusado será dizer que, para Merritt, o rock está inventado na sua plenitude, tudo o mais são caminhos que se voltam a percorrer. Aqui, é o caminho da distorção, com o toque de Midas dos Magnetic Fields.

69 Love Songs, 1999

Se todas as cartas e letras de amor são ridículas, devem ser também tristes, tristes de fazer chorar as pedras da calçada. Se a isto juntarmos melodias simples, emotivas, bem humoradas e bem interpretadas podemos conseguir um excelente disco de canções.

0251747.jpg0251747.jpg0251747.jpg

The Magnetic Fields, 69 Love Songs (1999)

Mas, com 69 Love Songs, os The Magnetic Fields foram um pouco mais longe. Conceberam uma autêntica bíblia sobre relações, compilada em três CDs que compõem um extraordinário disco conceptual. Há de tudo: tristezas profundas, ironia a rodos, muito humor e corações partidos, mais tarde colados com fita-cola. A harmonia entre a música e as letras é total e são várias as pérolas que se podem encontrar no meio de 69 temas, todos de elevada qualidade. Eu sei que parece difícil de acreditar, mas não custa tentar. Quem já conhece, sabe do que estou a falar. Quem não conhece, que se prepare para uma surpresa das grandes. Bem-vindos ao mundo de Stephin Merritt, onde a mistura de géneros musicais é total e onde tudo parece um pouco caótico e fora do lugar. Obra-prima.

nunoromano