O Sal da Língua

Sons organizados de forma a exprimirem uma grande variedade de emoções.

Archive for Patrick Watson

Take 2

Sobre os encontros e os desencontros da vida. E para uma certa rosa, que faz anos hoje.

Tracklist:

William Tell Ouverture: A Clockwork Orange OST
You Smile Like a Blossom: My Little Airport
Rosa: Rodrigo Leão
Sweet Dreams: Yo La Tengo
What’s A Girl To Do: Bat For Lashes
What’s On Your Mind: Madrugada
Pretty in Pink: The Psychedelic Furs
Tonight The Streets Are Ours: Richard Hawley
Tonight I Have To Leave It: Shout Out Louds
This Charming Man: The Smiths
Flyswatter: Eels
Mack the Knife: Various Artists
Mack the Knife: Nick Cave
Hasta Siempre Comandante: Robert Wyatt
Dancing Shoes: Arctic Monkeys
Singing in the Rain: Matthew Herbert
Sous Les Avalanches: Vincent Delern
Dans Le Merco Benz: Benjamin Biolay
The Storm: Patrick Watson
Mudar de Vida: Norberto Lobo

Advertisements

Hora do bolo

Para quem quis ouvir e não teve possibilidade, aqui fica.

Tracklist:

Cocorosie – “Terrible Angels”
Vetiver – “Idle Ties”
Feist – “Le Même Histoire”
Zita Swoon – “About The Sucessful Emotional Recovery Of A Gal Named Maria”
Patrick Watson – “Weight Of The World”
Bat For Lashes – “Sad Eyes”
iLiKETRAiNS – “Death Of An Idealist”
Bob Dylan – “It Ain’t Me, Babe”
Cat Power – “Stuck Inside Of Mobile With The Memphis Blues Again”
Antony & The Johnsons – “Knockin’ On Heaven’s Door”
Radiohead – “Nude”
Sigur Ròs – “Staralfur”
The Smiths – “Heaven Knows I’m Miserable Now”

Comentários, reclamações e insultos aqui, sff.

Se forem mesmo masoquistas, a hora vai novamente para o ar no domingo da próxima semana, às 16h.

nunoromano

Polaris 2007

scr002cd.jpg

Patrick Watson, Close to Paradise (2007)

Foi o vencedor improvável do Polaris Music Prize de 2007. Este galardão destaca-se por, habitualmente, não premiar carreiras, mas lançar novos valores canadianos. Tal fica bem demonstrado este ano, já que Watson deixou para trás os The Dears, Arcade Fire, Julie Doiron, Junior Boys e Feist, só para falar nos mais conhecidos. Ah, e o álbum é bom, realmente muito bom. Os canadianos continuam a desbravar novos caminhos para a música alternativa. Aqui fica mais um.

nunoromano