O Sal da Língua

Sons organizados de forma a exprimirem uma grande variedade de emoções.

Archive for The Smiths

Take 2

Sobre os encontros e os desencontros da vida. E para uma certa rosa, que faz anos hoje.

Tracklist:

William Tell Ouverture: A Clockwork Orange OST
You Smile Like a Blossom: My Little Airport
Rosa: Rodrigo Leão
Sweet Dreams: Yo La Tengo
What’s A Girl To Do: Bat For Lashes
What’s On Your Mind: Madrugada
Pretty in Pink: The Psychedelic Furs
Tonight The Streets Are Ours: Richard Hawley
Tonight I Have To Leave It: Shout Out Louds
This Charming Man: The Smiths
Flyswatter: Eels
Mack the Knife: Various Artists
Mack the Knife: Nick Cave
Hasta Siempre Comandante: Robert Wyatt
Dancing Shoes: Arctic Monkeys
Singing in the Rain: Matthew Herbert
Sous Les Avalanches: Vincent Delern
Dans Le Merco Benz: Benjamin Biolay
The Storm: Patrick Watson
Mudar de Vida: Norberto Lobo

Advertisements

Morrissey, Greatest Hits, 2008

mor.jpg
Morrissey deve sentir-se profundamente orgulhoso. Não que precise de maiores doses de presunção e egocentrismo (não estou certo de o mundo conseguir aguentar muito mais), mas após o interregno forçado dos anos 90, o facto de poder incluir neste Greatest Hits, para além dos temas já conhecidos da fase de inspiração tremenda que atravessou após o fim dos The Smiths, temas de dois discos fora-de-série da primeira década do novo milénio, enche-lhe, certamente, as medidas todas. Há quem diga até que se apaixonou e foi viver para Roma. O extravagante.
Pois eis que chegará em breve o esperado Greatest Hits, que inclui os temas mais recentes. Morrissey poderá descansar e começar a preparar a reforma, pois tem a possibilidade de, se quiser, sair de cena em alta. Mas estando a falar do músico com a maior cabeça (literal e metaforicamente) da indústria musical, é pouco provável que em alta seja suficiente. E o disco novo de originais está já previsto para o Outono.
A capa do Greatest Hits será a que é mostrada acima e a tracklist será a seguinte:
  1. First of the Gang to Die
  2. In the Future When All’s Well
  3. I Just Want to See the Boy Happy
  4. Irish Blood, English Heart
  5. You Have Killed Me
  6. That’s How People Grow Up
  7. Everyday Is Like Sunday
  8. Redondo Beach
  9. Suedehead
  10. The Youngest Was the Most Loved
  11. The Last of the Famous International Playboys
  12. The More You Ignore Me, the Closer I Get
  13. All You Need Is Me
  14. Let Me Kiss You
  15. I Have Forgiven Jesus

Nada mau.

Hora do bolo

Para quem quis ouvir e não teve possibilidade, aqui fica.

Tracklist:

Cocorosie – “Terrible Angels”
Vetiver – “Idle Ties”
Feist – “Le Même Histoire”
Zita Swoon – “About The Sucessful Emotional Recovery Of A Gal Named Maria”
Patrick Watson – “Weight Of The World”
Bat For Lashes – “Sad Eyes”
iLiKETRAiNS – “Death Of An Idealist”
Bob Dylan – “It Ain’t Me, Babe”
Cat Power – “Stuck Inside Of Mobile With The Memphis Blues Again”
Antony & The Johnsons – “Knockin’ On Heaven’s Door”
Radiohead – “Nude”
Sigur Ròs – “Staralfur”
The Smiths – “Heaven Knows I’m Miserable Now”

Comentários, reclamações e insultos aqui, sff.

Se forem mesmo masoquistas, a hora vai novamente para o ar no domingo da próxima semana, às 16h.

nunoromano

You Are The Quarry, 2004

morrissey_youarethequarry.jpg

Morrissey, You Are The Quarry, 2004

Disco que marcou o regresso de Morrissey à gravação de originais e que o retirou do exílio auto-imposto na costa oeste dos Estados Unidos. Durante os anos 90, Morrissey assistiu silenciosamente, e à distância a que os media o colocaram de todas as next big things fabricadas, à transformação musical que seria inevitável e que se sucedeu ao reinado dos The Smiths nos anos 80. Talvez por culpa dos excessos ou talvez pela forma feia como os The Smiths terminaram, Morrissey, do alto do seu inigualável ego, rendeu-se a um silêncio esfíngico que era parte despeito, parte amuo. Foram precisos sete anos para o voltar a colocar num estúdio a gravar temas originais. You Are The Quarry é belo e agressivo ao mesmo tempo. Há muito rancor e muita revolta nas letras, mas a melancolia única dos The Smiths está lá toda. Trata-se de um disco portentoso que surpreendeu tudo e todos em 2004. Ninguém estava preparado para algo assim e foi difícil incluir Morrissey e toda a carga emotiva que ele próprio enquanto personagem e a sua música acarretam na evolução musical do início do milénio. Na era da Internet e das estrelas instantâneas aparece uma relíquia dos anos 80 a gravar algo assim.

nunoromano

Revival

 

ourillwills.jpg

Shout Out Louds, Our Ill Wills (2007)

Que as bandas da actualidade vão buscar sonoridades e tendências ao passado (num espaço de 20 anos, pelo menos) não é novidade e muito menos surpresa. Chamem-lhe referências, inspiração, o que quiserem. Mas desde o surgimento (e desaparecimento precoce) dos The Organ que se verificou um fenómeno novo. Bandas que assumem, vocal e instrumentalmente, a herança sonora de músicos que tiveram o apogeu há mais de uma década. Mas assumidamente e com boa qualidade. E por isso não lhes levamos a mal. Surpresa pode começar a ser a propagação desta “moda”. Bastam cinco segundos apenas para perceber que os Shout Out Louds se apoiam em Robert Smith e nos The Cure, como os The Organ se apoiaram em Morrissey e nos The Smiths. Mais uma vez, descaradamente, e mais uma vez, bem feito. Não sei o que vai aparecer a seguir, mas a verdade é que a porta deste filão revival está escancarada. A acompanhar.

nunoromano